Vereadores recebem gerente da Embasa em plenário

fb_img_1509487302770

A Câmara Municipal recebeu nesta terça-feira, dia 31, o gerente da Embasa de Itacaré, o Sr. Igor Novais, que esclareceu algumas situações polêmicas sobre a prestação de serviço, a exemplo da taxa de religação e a taxa de 80% do serviço, a qualidade da água e do esgoto, a prestação de serviço em Taboquinhas, na Rua do Forte e sobre o contrato de concessão.

Sobre as taxas, o gerente explicou que consta nas clausulas do contrato que venceu em 2016, é constitucional e acontece em todas as cidades, e que continua valendo até que seja assinada a nova concessão. E mesmo com essa cobrança de 80%, não cobre o custo da manutenção do sistema de esgoto.

Até o fim do ano o executivo deve enviar o projeto para o legislativo, que analisará e poderá fazer diversas modificações, a exemplo da retirada das taxas.

Equipamentos

Segundo o sr. Igor, a Estação de Tratamento de Esgoto de Itacaré é referência na região, senão em toda Embasa, por ter equipamentos de 1° Mundo vindos da Alemanha, que nunca trabalharam em sua capacidade máxima, por nunca ter precisado. Sobre a qualidade, apesar dos contratempos, o mesmo garantiu, pois a Embasa não permite a nós fornecermos uma água comprometida, e quando isto acontece a água é bloqueada totalmente.

Taboquinhas

A Embasa não tem nenhuma obrigação com Taboquinhas. Em 2013 a população não aceitou que o poder público municipal passasse a chave para o setor privado. Para a empresa, cliente é aquele que têm conta de água, pois a empresa não cobra a taxa de esgoto, sendo assim, os moradores do distrito só passarão a ser nossos clientes caso na nova concessão o distrito seja incluído. E mesmo não tendo lucros nós continuamos com um funcionário e com a manutenção na estação e nas elevatórias, explicou o gerente.

Rua do Forte

A questão da Embasa não prestar o serviço de esgoto na Rua do Forte é que as casas foram construídas encima de pedreiras, e para construirmos o sistema precisaríamos usar dinamites, o que prejudicaria as estruturas. A segunda opção seria mais complexa e com um custo maior, o que muito possívelmente não seria aceito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *